Metodologia

O processo investigativo do CREPOP implica na construção e atualização de um banco de dados para comportar informações sobre profissionais de psicologia, legislações, documentos, programas e entidades que desenvolvem ações nas diversas Políticas Públicas, além de investigar as práticas desenvolvidas pelas profissionais de psicologia no seu respectivo campo de atuação. Essas informações servirão de subsídios para a produção de documentos de referência para a atuação de psicólogos nesse campo. Para tanto, esse processo investigativo é divido em três circuitos.

O primeiro circuito consiste no retrato de como a política se distribui e se organiza em todo país. É neste momento que ocorre o mapeamento do campo a partir da identificação das/os profissionais de psicologia que atuam em uma determinada política, assim como o levantamento bibliográfico sobre legislações, documentos, serviços, programas e entidades relacionados ao tema e à politica em questão.

O segundo circuito consiste na coleta de dados, quantitativos e qualitativos, junto às/aos psicólogos nos locais onde ocorre a atuação referente ao campo investigado. Para isso são utilizados diferentes instrumentos que permitem o contato com a/o profissional que atua na política. Duas estratégias metodológicas são utilizadas nessa etapa: questionário online, que permite uma maior abrangência de participação das/os profissionais; as entrevistas individuais e grupais, realizadas com algumas profissionais que relatam acerca de sua prática, sobre a política e a relações com outras categorias profissionais. É importante frisar que não é possível realizar entrevistas com todas/os profissionais existentes em uma determinada política e por isso o questionário online existe para oportunizar a participação de profissionais impossibilitados por algum motivo de participar da etapa qualitativa. Esse circuito termina com a sistematização dos dados obtidos e a elaboração dos relatórios da pesquisa, quantitativo e qualitativo.

No terceiro circuito é o momento em que ocorre a elaboração da Referência Técnica. A responsabilidade pela elaboração do documento de referência é de uma comissão ad-hoc, composta por especialistas no tema, com experiência acadêmica e/ou profissional da prática da Psicologia na referida política investigada. Após a elaboração de um documento preliminar, a proposta de texto fica disponível para consulta pública, momento este que a categoria pode ainda contribuir para o documento final, antes da sua publicação. Finalizada esta etapa, as contribuições retornam à comissão ad-hoc que finalizará a elaboração do documento para posterior publicação da Referência Técnica.

Nesse sentido, o que a metodologia de investigação do CREPOP preza é pela participação ativa da categoria na construção das Referências Técnicas. Todas as etapas garantem que as/os profissionais tenham voz ao relatar as suas práticas, auxiliando assim outras/os psicólogas/os no desenvolvimentos dos seus trabalhos nas políticas públicas.

Para conhecer na íntegra a Metodologia do CREPOP, clique aqui.